Mulher do coronel chora em depoimento e não esclarece reforma na casa de filha de Temer

A arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher e sócia do ex-coronel da PM de São Paulo João Batista Lima Filho, amigo do presidente Michel Temer, prestou depoimento nesta sexta-feira (30) à Polícia Federal em São Paulo. Ela e o marido são sócios na empresa PDA, que fez uma reforma de alto custo na casa de Maristela Temer, filha do presidente Michel Temer, em São Paulo.

A TV Globo apurou que Fratezi disse que não participa da gestão de empresas do marido e que, por isso, não se sentia em condições de dar qualquer declaração sobre esse assunto. A investigação apontou que, no caso dessa reforma, feita pela empresa dela e do marido, “há informações sobre pagamentos de altos valores em espécie.”

Fratezi foi ouvida dentro da Operação Skala, deflagrada na quinta (29) pela Polícia Federal dentro do inquérito que investiga se Temer beneficiou, com a edição de um decreto de 2017, empresas do setor portuário, informa o G1.

Na operação, foram presas 10 pessoas, entre elas amigos de Temer como o advogado e ex-assessor do presidente José Yunes, o coronel Lima, e o ex-ministro da Agricultura e ex-deputado federal Wagner Rossi.

O depoimento de Lima estava previsto para este sábado mas, ele alegou que, por motivos de saúde e “falta de condições emocionais”, permaneceria em silêncio.

Depoimento curto

Fratezi chorou durante o depoimento, segundo investigadores. E não esclareceu as perguntas sobre as suspeitas relacionadas à reforma. Foi um depoimento curto e considerado pouco produtivo por investigadores.

Um dos fornecedores que trabalharam na obra da casa da filha de Temer disse que recebeu R$ 100 mil em dinheiro vivo pelos serviços. O imóvel investigado pela Polícia Federal (PF) é uma casa de alto padrão no Alto de Pinheiros, bairro nobre de São Paulo.

Maristela Temer comprou o imóvel, de 350 metros quadrados, em 2011. Em 2014, a casa passou pela reforma.

Rodrimar e reação do Planalto

Outro dos presos na Operação Skala, o dono da empresa Rodrimar, Antônio Celso Grecco, relatou em depoimento à PF na quinta uma frase que teria ouvido do então vice-presidente Michel Temer sobre a concessão de áreas no porto de Santos: “Vou ver o que posso fazer”.

Em depoimento anterior à PF, em dezembro do ano passado, Grecco afirmou que não havia discutido questões do setor portuário com Michel Temer. Em janeiro, ao responder questionário formulado pela Polícia Federal, Temer negou que tenha tratado do assunto com Grecco.

Na noite desta sexta, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência divulgou uma nota em que afirma que “autoridades tentam criar narrativas que gerem novas acusações” contra o presidente Michel Temer com o objetivo de retira-lo “da vida pública.”

31/03/2018

(Visited 1 times, 1 visits today)