Suspeito admite ser autor de ataque em boate de Istambul

Declaração foi dada por governador de Istambul, segundo a agência Reuters. Atirador matou 39 pessoas na boate Reina na festa de réveillon.

O governador de Istambul afirmou que o suspeito detido na segunda-feira (16) admitiu ser o autor do ataque à boate Reina na festa de réveillon, de acordo com a agência Reuters. O homem foi detido na segunda-feira (16) em um subúrbio da cidade.

Vasip Sahin afirmou que as impressões digitais do suposto atirador, que ele chamou de Abdulkadir Masharipov, foram encontradas na cena do crime. Ele nasceu em 1983, no Uzbequistão, e recebeu treinamento no Afeganistão.

“Está claro que sua ação foi feita em nome do Estado Islâmico”, explicou o governador. Ele disse que o detido é um terrorista muito bem treinado, que fala quatro idiomas e entrou na Turquia ilegalmente em janeiro de 2016 por uma fronteira do leste.

O governador afirmou que na residência onde o suspeito foi detido em Istambul foram encontrados US$ 197 mil em dinheiro, duas armas, vários cartões de telefones celulares e dois drones. Ele se alojou em muitos imóveis em Istambul antes de cometer o atentado na virada do ano na boate Reina.

Sahin indicou que ainda não há informações que levem à participação de um serviço de inteligência estrangeiro, uma possibilidade que membros do governo turco tinham insinuado anteriormente.

O governador, no entanto, garantiu que o detido contou com ajuda para realizar o ataque e que essa informação será obtida durante o interrogatório ao qual está sendo submetido.

Junto a Masharipov foram detidos na segunda-feira (16) à noite um homem iraquiano e três mulheres de diferentes nacionalidades. Também se encontrava na imóvel o filho de quatro anos de Masharipov.

A polícia analisou mais de 7.200 horas de vídeos de câmeras urbanas para localizar o atirador. No total, os agentes fizeram buscas em 152 imóveis e 158 pessoas estrangeiras foram detidas durante a investigação, afirmou o governador.

Ataque

Um atirador matou pelo menos 39 pessoas e deixou 69 feridos na boate Reina, famosa casa noturna de Istambul, que também tem uma área de bar e restaurante. O ataque foi reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico.

O vice-primeiro-ministro Numan Kurtulmus disse nesta segunda, antes da prisão do suspeito, que o ataque foi realizado de maneira profissional. “Aparentemente o ataque à boate Reina não foi apenas um ato de uma organização terrorista, mas também houve uma organização de Inteligência envolvida. Foi um ato extremamente planejado e organizado”, disse.

Após o ataque, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan afirmou que o atentado teve por objetivo “semear o caos no país”. “Agem para destruir a moral do país e semear o caos com esses ataques de ódio contra civis”, declarou Erdogan em sua primeira reação ao massacre, segundo um comunicado publicado pela presidência.

g1

17/01/2017