Suspeito de matar menina no Rio tenta fugir de delegacia e é baleado

Suspeito de matar menina no Rio tenta fugir de delegacia e é baleado

Suspeito de ser responsável pelo sequestro e morte da menina Thifany Nascimento de Almeida, de 11 anos, Sandro Luiz Alves Portilho, de 42, tentou fugir da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), na noite desta terça-feira, e acabou baleado. Ao saber que o corpo da criança havia sido encontrado em um lixão da Favela de Acari, na Zona Norte do Rio, ele tentou pegar a arma de uma policial e saiu correndo da delegacia, depois de depredar parte do local.

Durante a perseguição, em que Sandro chegou a estilhaçar uma vidraça da Cidade da Polícia ao atravessá-la, uma policial disparou dez tiros. O suspeito foi atingido três vezes: na perna, nas costas e na virilha. Ainda não há informações sobre o estado de saúde do homem, que foi socorrido por bombeiros e levado para um hospital da região. Antes, caído no chão, ele repetia: “Me mata, me mata”.

Sandro chegou a apresentar um sobrenome falso aos policiais, que foi inclusive divulgado pela assessoria de imprensa da corporação na manhã desta terça-feira. A informação só foi corrigida às 21h20m, após procedimento feito pela DDPA para verificar a identidade dele descobrir que o sobrenome era falso.

Ele estava foragido desde 2012, após ser condenado por um homicídio em Minas Gerais.

Thifany foi sequestrada no domingo, quando brincava em uma praça do Conujunto Amarelinho, em Irajá, também na Zona Norte. Sandro confessou ter participado do sequestro, mas negou inicialmente ser o autor do assassinato. Ele teve a prisão temporária decretada pelo Tribunal de Justiça do Rio.

Sandro foi detido por moradores de Acari, na noite de segunda-feira. Após de ser espancado, ele foi entregue aos policiais do 41ºBPM (Irajá), que o socorreram e o levaram para DDPA.

extra
17/01/2017